Sobre Nós >> Processo de Admissão

De acordo com a art. 16 da Resolução 29/2011 a admissão é feita mediante prévia avaliação diagnóstica, cujos dados constam na ficha do residente, sendo vedada a admissão de pessoas cuja situação requeira a prestação de serviços de saúde não disponibilizados pela instituição (vide CONTRAINDICAÇÕES)
O processo se dá da seguinte maneira:

  1. PRIMEIRO CONTATO: é realizado com o administrador da Casa, que:
    1. verifica a disponibilidade da vaga;
    2. realiza uma análise socioeconômica determinando o custo da residência e forma de pagamento;
    3. solicita que a família providencie o enxoval e os seguintes exames: V.D.R.L., HIV 1 e 2, ANTI HCV, HBsAg. É preferível que o candidato entre na Casa após avaliação médica com clínico geral, médico psiquiatra e coleta do material para exames e consulta médica, mas caso não seja possível, estes procedimentos serão realizados após a admissão.
  1. ACOLHIMENTO: O acolhimento diz respeito à maneira de receber ou de ser recebido, isto é, à recepção, bem como possui o sentido de abrigamento, refúgio. Desta forma, a Casa de Resgate Emanuel entende o acolhimento como uma forma de abordagem do ser humano, recebendo em sua complexidade e individualidade e oferecendo-se como refúgio do mundo em que estava habituado a viver. O acolhimento é um momento em que o futuro residente é recepcionado pelo coordenador em serviço e a forma como  ele acontece traduz esta concepção do humano em sua magnitude: “você é bem vindo aqui, onde você poderá rever seus conceitos e suas atitudes perante a vida. Aqui você pode explorar seu mundo interno e descobrir novas formas de se relacionar com o mundo externo. Aqui acreditamos que você é capaz de crescer mais, aprender mais e se realizar como a pessoa que verdadeiramente é”. Na prática, trata-se do primeiro momento do residente na Casa, composto pela entrevista inicial de coleta de dados sobre o envolvimento com drogas e dificuldades vitais relacionadas, estado de saúde, grau de motivação para o tratamento, bem como apresentação das normas e rotina, apresentação do espaço físico e recepção pelos residentes. Objetiva estabelecer o vínculo inicial com o residente, conhecendo-o tal como este se apresenta, e estimular o envolvimento deste com sua recuperação, incitando-o a estabelecer novos laços.
    1. O candidato é encaminhado pelo administrador até a Casa, onde o coordenador em serviço acolhe o residente e realiza a entrevista inicial com o futuro residente e, se possível, seus familiares, com intuito de: coletar dados; avaliar o grau de comprometimento  e os critérios de elegibilidade; orientar sobre a abordagem, as normas e rotina da Casa e sobre os primeiros dias de internação.
    1. Após o esclarecimento sobre as normas da Casa, é realizada a assinatura do Termo de Adesão.
    1. Revista geral: O candidato deve entregar a direção documentos, livros, remédios, dinheiro, aparelhos, etc., para guardar durante sua permanência na casa.
    1. Apresentação ao grupo de residentes e ao espaço físico da casa.
  1. INSERÇÃO NAS ATIVIDADES: o residente vivencia os 07 dias iniciais do cronograma, contando com a colaboração de outro residente há mais tempo no programa, indicado pela Equipe na apresentação inicial.

Obs: visto que a triagem não é realizada antes da chegada do residente à casa, a qualquer momento, especialmente durante o acolhimento e os primeiros dias na casa, o coordenador pode identificar impossibilidade de o residente permanecer na Casa, estando autorizado a contatar a administração, a equipe técnica e a família para comunicar este fato.

MEDICAMENTOS: Durante o processo de triagem, o candidato à Comunidade Terapêutica e seus responsáveis devem informar se o interessado faz algum uso de medicação. Em caso afirmativo, no ato da internação, o(s) medicamento(s) e o(s) receituário(s) são entregues à equipe, que o guarda e administra. Dessa forma, nenhum remédio é fornecido sem autorização médica. O residente deverá receber o medicamento no horário indicado e ingeri-lo junto ao membro da Equipe.